aquilomaisisso

Archive for the ‘Literatura’ Category

LEITURAS: Bate-papo com Caeto, autor do HQ “Memória de Elefante”

In Entrevista, Literatura, Quadrinhos on 17/03/2011 at 15:06

Por Mariana Figueiredo

No quadrinho autobiográfico Memória de Elefante, Caeto conta sua história na luta para se fixar como artista na cidade São Paulo. Entre porres, farras e uma relação conflituosa com seu pai, o autor expõe sua intimidade ao longo da história.

Na entrevista concedida ao blog, fala um pouco sobre como foi o processo do livro e que depois de tantos problemas, as coisas finalmente deram certo.

Foto de arquivo pessoal

AquiloMaisIsso – Por que você decidiu fazer um HQ biográfico?

Caeto – Eu já vinha fazendo HQs auto biográficas nos fanzines Sociedade Radioativa e Glamour Popular antes de fazer o álbum, mas acho que o que me moveu a fazer o Memória de elefante, foi uma bronca que eu estava sentindo em relação ao mundo naquela época, acho que enquanto fui fazendo o livro fui fazendo as pazes com o mundo.

AMI – Em algum momento você ficou relutante em expor sua vida e a de algumas pessoas no livro? Alguém se incomodou por não concordar com algumas versões, ou ate mesmo por não querer aparecer em seus relatos?

Caeto – Sim em vários momentos fiquei relutante, por isso coloquei as histórias de todos que iriam aparecer numa peneira, pra não machucar muito ninguém, nem a mim mesmo. Mas, sim teve quem se incomodou.

AMI – Você satiriza seus sofrimentos e isso faz com que os leitores achem graça de momentos difíceis pelos quais você passou. Isso é da sua personalidade ou foi uma maneira que você achou de se expor sem ser tão difícil?

Caeto – Acho que isso é da minha personalidade e mesmo assim tem coisas que foram difícil de expor, mesmo que eu tenha feito.

AMI – As coisas deram certo dessa vez?

Caeto – As coisas estão dando certo pra mim, já a algum tempo. Tenho conseguido uns trabalhos bem legais, tocado a minha empresa, a Glamour Popular, com os meus projetos de arte e agora estou naquele momento de colher os frutos do trabalho do livro. E esta rolando um reconhecimento da parte de muita gente que eu admiro! Estou muito feliz!

AMI – O que você pretende fazer agora? Lançar mais um HQ, continuar com a banda, ir tocando tudo junto…?

Caeto – Comecei a escrever o roteiro da minha próxima HQ e a banda já acabou faz um tempo, mas quem sabe uma hora nos reunimos pra tocar, nunca se sabe!

CRÍTICA: Livro “Meu tipo de garota”

In Crítica, Literatura on 01/03/2011 at 12:00

Por Brunno Marchetti

No livro de Buddhadeva Bose, quatro homens são obrigados a passar a noite em estação de trem devido a problemas mecânicos. Quando já pensavam que a noite seria longa e tediosa, veem um jovem casal apaixonado e resolvem passar o tempo contando histórias de amor que viveram.

Capa /Divulgação

Nesse ponto, a obra traz uma visão pessimista de que a paixão e a realização no amor são extremamente efêmeras. Os próprios personagens comentam entre si ao ver o casal: “será que esses dois conseguem ao menos imaginar como é breve tudo isso? Será que imaginam que não vão continuar desse jeito por muito tempo? Essa é a parte mais espantosa dessa espantosa ilusão”.

As quatro histórias que são contadas na sequência (que poderiam ser contos isolados) confirmam essa ideia, praticamente todas trazem um amor que não se realiza. Mesmo a única que tem um “final feliz”, se dá por um casamento em que o noivo era a segunda opção da noiva.

Porém mesmo na história mais triste, o livro não perde nem um pouco da leveza. Muito disso se deve à linguagem usada pelo autor e pela tradução de Isa Mara Lando.

Outro ponto positivo é o retrato que esse faz da sociedade indiana da primeira metade do século XX. E que apesar de se tratar de um país dividido por castas, foge a este lugar comum nas histórias. O que poupa o leitor de uma desagradável lembrança de qualquer obra da teledramaturgia recente.

Google eBookstore: mais de 3 milhões de obras gratuitas

In Literatura, tecnologia on 06/12/2010 at 15:49

Por Clara Caldeira

Reprodução

A aguardada e polêmica loja de livros virtuais da Google foi finalmente lançada nessa segunda feira, dia 6 de dezembro. Com mais de 3 milhões de obras gratuitas disponíveis, além das pagas, a Google eBookstore é compatível com a maioria dos navegadores convencionais e com aparelhos como Android, iPhone, iPad e iPad touch, além dos e-readers da Sony e o Nook e por meio de aplicativos como Kindle, iBook, etc.

Reprodução

 

 

Mas o serviço de compra de livros ainda não está funcionando no Brasil. Por enquanto a loja só está disponível nos EUA. Nos outros países é possível olhar, mas o consumo está restrito aos e-books de domínio público. Mas mesmo nos Estados Unidos, onde os livros já podem ser comprados, o preço não ultrapassa os U$ 20 o que, logo de cara, já representa uma revolução para o mercado editorial.

Google eBookstore

Os títulos disponíveis vão de clássicos à bestsellers, alguns dos quais já caíram em domínio público e podem ser acessados no Brasil. A eBookstore pode ser vista como mais um passo do ambicioso projeto do Google de digitalizar todo o conteúdo escrito já produzido pela humanidade. A empresa afirma que todos os seu mais de 15 milhões de obras digitalizadas poderão ser acessadas pela nova ferramenta virtual.

Acesse a Google eBookstore!

 

Sem frescura, Balada Literária acende a Vila Madalena pela 5º vez

In Literatura on 18/11/2010 at 07:40

Por Mariana Figueiredo

divulgação

A partir de hoje, 18 de novembro, a Balada Literária agitará ainda mais as noites do famoso bairro de São Paulo.  Idealizada pelo premiado escritor Marcelino Freire, a festa segue firme e forte em sua 5º edição que tem como homenageada a escritora Lygia Fagundes Telles.

De hoje a domingo, bares, centros culturais  e livrarias servirão de palco para performances,  bate papos, shows e exposições que reunirão grandes nomes da literatura, da música e do teatro como o escritor argentino Alberto Manguel, a atriz Beth Goulart,  a poeta Alice Ruiz, entre outros vários.

Diferentemente dos eventos pontuais, a exposição ‘12 retratos de Escritores’ de Renato Parada, na Mercearia São Pedro, e os vídeos de poesia Barlaça, no centro Cultural b_arco,  poderão ser conferidos todos os dias.

E como toda balada boa dá ressaca, nos dias 24 e 25, o Centro Cultural b_arco e o Teatro Brincante contarão com uma programação especial.

Tente se organizar para fazer tudo de bom que a Balada Literária vai trazer pra Vila Madalena nesses próximos dias.

Clique aqui para conferir a Programação.

Vai Lá:

Balada Literária

Quando: dia 18 a 21 de novembro de 2010

Quanto: grátis

Onde: BIBLIOTECA ALCEU AMOROSO LIMA
Rua Henrique Schaumann, 777
Pinheiros – Tel. 3082-5023

ESPAÇO PLÍNIO MARCOS
Praça Benedito Calixto
– Durante a feira

LIVRARIA DA VILA
Rua Fradique Coutinho, 915
Vila Madalena – Tel. 3814-5811
www.livrariadavila.com.br

CENTRO CULTURAL b_arco
Rua Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 426
Pinheiros – Tel. 3081-6986
www.obarco.com.br

GOETHE-INSTITUT
Rua Lisboa, 974
Pinheiros – Tel. 3296-7000
www.goethe.de/saopaulo

MERCEARIA SÃO PEDRO
Rua Rodésia, 34
Vila Madalena – Tel. 3815-7200

SESC PINHEIROS
Rua Paes Leme, 195
Pinheiros – Tel. 3095-9400

TEATRO BRINCANTE
Rua Purpurina, 428
Vila Madalena – Tel. 3816-0575
www.teatrobrincante.com.br

TEATRO DA VILA
Rua Jericó, 256
Pinheiros – Tel. 11 3032-3448

Abertura do Outubro Independente agita o Centro Velho de SP

In Artes Plásticas, Cinema, Dança, Design, Exposição, Festas de Rua, Festivais, Fotografia, Grafite, Literatura, Música, Palestra, Show, Teatro on 28/09/2010 at 09:00

Por Clara Caldeira

Foto: reprodução

Na próxima sexta feira dia 1° de outubro a sacada da Associação Brasileira de Empresários de Diversões será palco, ou melhor, pista, ou seria tela… Da abertura do Outubro Independente 2010. A festa que inclui projeções, performances, live paiting, sound system e sets de Dj de diversas partes do mundo é fruto de uma parceria entre o Outubro Independente e o coletivo Voodoohop que comemora um ano de existência e promete agitar a madrugada do Centro Velho de sexta para sábado.

Foto: reprodução

O evento que dá o pontapé inicial do Outubro Independente deste ano terá a presença dos DJs Shir Khan e Berlin Battery, da Alemanha, Souksouklow, da França, além de Camilo Rocha, Pomba, Dolores e Tomash. Também haverá uma apresentação do grupo alemão Kissogram, acompanhada de projeções do Código 11 Projeções (Sms Pixação + Sound Visualization) e ainda intervenções sonoras do Barulho.org.

Galeria Olido (Foto: reprodução)

O Outubro Independente, que surgiu como CCJ Independente, foi realizado durante quatro anos pelo Centro Cultural da Juventude e ganhou, em 2009, o apoio da Secretaria Municipal de Cultura. A partir daí o CCJ se uniu a novos parceiros como o Centro Cultural São Paulo (CCSP), a Galeria Olido e as bibliotecas Viriato Corrêa, Roberto Santos e Alceu Amoroso Lima.

Com o objetivo de discutir e incentivar a produção cultural independente feita no Brasil, o Outubro Independente trará shows, exposições, exibições de filmes, palestras e workshops, a maioria de graça, espalhados pelos espaços participantes.

Confira a programação:
http://www.centrocultural.sp.gov.br/outubroindependente

Vai Lá!

A festa de abertura começa com a exibição do filme “Pixo” na Galeria Olido, às 19h30 da sexta feira 1° de outubro. Depois, é só seguir o fluxo! Para ganhar sua senha para a Afterparty acesse o site do Voodoohop e ajude a divulgar o evento.

Chabadabadá: o novo livro de Xico Sá

In Literatura on 06/07/2010 at 11:22

Por Clara Caldeira

Foto: reprodução

“Para Clara, estas crônicas. Para você entender a nossa rápida canalhice.”

Não que a canalhice masculina seja o mais profundo dos mistérios da existência humana… Desafio mesmo, especialmente para os homens, é decifrar as mulheres e até isso Xico Sá já fez. Autor de clássicos da filosofia boêmia como Modos de Macho & Modinhas de Fêmea e Catecismos de Devoções Intimidades & Pornografia, este cearense de Crato é também uma personagem marcante da noite paulistana e presença obrigatória nas melhores estantes, prateleiras e bibliotecas.

Foto: reprodução

Escritor, jornalista e poeta, começou sua carreira em Recife. Chegou a fazer uma parceria com o grupo Mundo Livre SA e hoje é colunista em diversos jornais e revistas além de participar, na tevê, dos programas Cartão Verde (TV Cultura) e Notícias MTV. Seu blog O Carapuceiro, onde publica contos e crônicas periodicamente, é uma boa dica para quem quer conhecer melhor a obra desse cabra da peste, e de graça!

Chabadabadá reúne, nas palavras do autor, “um grosso de crônicas inéditas e um varejo de textos editados anteriormente” nas revistas da Folha, Bravo!, TPM, Vogue Homem, Continente e nos jornais Diário de Pernambuco, Diário do Nordeste e O Tempo, de Minas. Tão boas quanto os textos são ilustrações do livro. Os desenhos fazem parte do acervo de capas pulp que o ilustrador Benício criou para pocket books.

Foto: reprodução

Para quem ainda está em dúvida se embarca ou não nas Aventuras e desventuras do macho perdido e da fêmea que se acha, fica uma experiência. Lí uma, duas, três páginas. Li mais da metade do livro, abrindo em crônicas aleatórias, tentando encontrar um só texto menos certeiro, menos irônico, menos lírico, brilhante e deliciosamente xumbrega! Desisti! Fui dormir pensando na poesia que esse cabra consegue dar às mazelas dos machos e fêmeas de hoje… Peste!

Curiosidade

Se você não entendeu xongas do nome do livro, Xico Sá explica. Chabadabadá remete ao refrão da trilha sonora do filme “Um Homme ET une Femme” de Claude Lolouch. Segundo o autor, no Brasil, “chabadabadá” era cantado por gozação como “sábado ela dá, sábado ela dá”.